Se conecte com a gente

Ciência

Homens mais fracos são mais propensos a preferir o socialismo, segundo estudo

A premissa falsa de igualdade social e econômica pregada pelo socialismo é menos defendida por homens mais fortes do que os fracos

Publicado

no

Homens fisicamente mais fortes são menos a favor da premissa falsa de igualdade social e econômica pregada pelo socialismo, do que os homens mais fracos, é o que indica uma pesquisa realizada em 2017 pela Universidade Brunel, em Londres.

Cerca de 171 homens com idades entre 18 e 40 anos, foram avaliados pelo Dr. Michael Price e seus colegas, coletando informações sobre altura, peso, tamanho da cintura, circunferência muscular flexionada e relaxada, preensão manual e força no braço e peito.

Eles também perguntaram aos participantes sobre a freqüência com que vão ao ginásio, sua riqueza e se apóiam a redistribuição de riqueza, além de perguntar se eles aprovam a idéia de que alguns grupos sociais devem ter domínio sobre os outros (“orientação de dominância social”).

Além de se concentrarem nos sinais corporais de dominância percebida, os pesquisadores também se concentraram na aparência facial: eles tinham grupos de avaliadores independentes observando os rostos dos participantes e avaliando se viam os homens como dominantes e atraentes. Eles também usaram software para analisar rostos em termos da masculinidade de sua forma.

Pesquisas anteriores mostraram que vários aspectos da forma e da aparência da face, como a relação altura/largura, estão ligados à capacidade de competir por recursos no mundo moderno.

Os resultados mostraram uma correlação significativa entre aqueles com maior formidabilidade corporal e a crença de que alguns grupos sociais deveriam dominar os outros. Esses homens também eram muito menos propensos a apoiar a redistribuição de riqueza.

Mas, ao contrário das previsões, não houve correlação entre ser considerado atraente, medido pela relação cintura-peito e várias medidas faciais, e se os homens apoiavam ou não a “orientação de dominância social” ou redistribuição.

O estudo mostrou que homens mais fortes ou musculosos eram menos igualitários, e o número de horas realmente gastas na academia também estava ligado a ter crenças socioeconômicas a favor da meritocracia.

Dr Price, professor titular de Psicologia na Faculdade de Saúde e Ciências da Vida da Brunel, explica: “Acreditamos que esta ligação entre a forma saudável e forte e o igualitarismo pode ser explicada de várias maneiras. Poderia ser o resultado de homens calibrarem seu igualitarismo à sua própria forma saudável e forte. Pode ser o caso de homens menos igualitários se esforçarem mais para se tornarem musculosos. Ou poderia haver uma terceira variável em jogo afetando tanto o igualitarismo quanto a musculosidade.”

Mas logo então pode surgir a seguinte questão: “A direção causal aqui é um pouco ambígua, ou seja, ser musculoso faz com que os homens sejam menos igualitários, ou os homens menos igualitários tenham maior probabilidade de levantar pesos?”

“Nossos resultados sugerem que os homens mais ricos que são mais formidáveis ​​fisicamente são mais propensos a se opor à redistribuição de riqueza. Essencialmente, eles parecem mais motivados para defender seus recursos. Mas homens menos ricos que ainda são fisicamente formidáveis ​​também não parecem mais inclinados a apoiar a redistribuição. Eles não estão exigindo uma parte da riqueza.”

“Uma questão-chave para pesquisas futuras pode ser se certos traços de personalidade, como o narcisismo ou a busca por dominância, podem estar relacionados tanto ao esforço muscular quanto ao desigualismo”.

Quer dizer então que se eu sou fraco prefiro o socialismo?

Não necessariamente. Depois dessa pesquisa é possível concluir que nem todos os que são fracos são socialistas, mas todos (ou pelo menos a maioria) dos socialistas são fracos, de acordo com o estudo.

Publicidade
Click para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade
Publicidade

Em Alta