Se conecte com a gente

Ciência

A incrível história do piloto que derrubou seu próprio avião

O caso raro de alguém que estava no lugar e na hora errada

Publicado

no

Tom Attridge é o nome de um piloto de testes da Grumman (uma das maiores empresas aerospaciais do século XX) que ficou conhecido no mundo inteiro, depois de ser o protagonista de um evento muito curioso: seu avião foi misteriosamente derrubado por ele mesmo. É um caso raro de estar simplesmente no local e na hora errada. De acordo com informações, o avião não voava em uma zona de guerra, mas em espaço seguro, nos limites de uma área de ensaios em voo nos Estados Unidos.

O piloto foi obrigado a fazer um pouso forçado, pois as balas atravessaram a fuselagem e o canopy do F11F Tiger causando um impacto tão forte com o solo, que destruiu o avião e fez com que Attridge fraturasse uma perna e três vértebras.

As bocas dos quatro canhões de 20mm do então novo caça da Grumam, estavam inicialmente próximas às entradas de ar, por esse motivo, as cápsulas vazias e as cintas das balas eram ejetadas arranhando a pintura e até amassando a fuselagem. De acordo com a matéria da revista Aero Magazine, que conta sobre esse caso, os engenheiros tiveram uma ideia para solucionar o problema: recuaram a posição dos canhões. Dessa forma, as cápsulas passaram a ser ejetadas para longe da aeronave, enquanto as cintas eram armazenadas.

Attridge disparou uma série de rajadas em uma missão para testar o novo sistema de armas do jato supersônico, aumentou seu ângulo de descida e ainda disparou mais um pouco. Só que quase um minuto depois de disparar a primeira rajada, ele foi atingido por projéteis – e pasmem! Eram os seus.

Mesmo sendo considerado como “um em um milhão”, o que aconteceu é ciência pura.

Trigonometria

Graças aos relatórios muito detalhados sobre o evento, sabemos exatamente o que aconteceu naquele dia. Sabemos que Attridge disparou suas balas a 13.000 pés (4.000 m) e foi atingido a 7.000 pés (2.100 m). Sabemos que seus projéteis saíram dos canhões a mais de 2.000 km/h e que o Tiger F11F ele estava pilotando estava em voo supersônico, a aproximadamente 1.300 km/h.

Você pode perceber que a velocidade das balas era muito superior à do avião, o que significa que não havia nenhuma maneira das trajetórias se cruzarem. Mas depois de alguns quilômetros, os projéteis diminuem significativamente sua velocidade. Na verdade, pelo que sabemos, os projéteis que atingiram o avião deviam estar viajando à mesma velocidade (ou até mais devagar) que o avião no momento do impacto.

Pelos relatórios, também sabemos que antes de ser atingido, o avião voou em linha reta por cerca de 11 segundos, em um mergulho mais íngreme do que quando foram feitos os disparos. Se o avião estava mantendo 1.300 km/h, significa que Attridge cobriu uma distância de aproximadamente 4 km durante aqueles segundos. Então, basicamente, temos um triângulo perfeito, que nos permite desenterrar nosso velho amigo Pitágoras. Utilizando o famoso “teorema de…”, temos que Attridge cobriu uma distância horizontal de 4.000 m, durante um mergulho de 1.900 m.

Tudo o que temos que fazer agora é ver se as balas poderiam cobrir essa distância naquele tempo. Conhecendo todos os números do relatório, podemos “chutar” a trajetória das balas. Podemos supor que se os projéteis (que além do mais têm uma trajetória curva) diminuíram a velocidade até talvez 50% a 60% da velocidade do avião (a combinação entre resistência do ar e força da gravidade é coisa séria), elas poderiam ter percorrido entre 3.800 m a 4.200 m no tempo entre elas terem sido disparadas e atingindo o avião –, a mesma distância voada por Attridge.

Moral da história

Em outras palavras: sim, um avião pode ser abatido por suas próprias balas.

Vamos conferir, o que o relatório oficial concluiu? Ele diz que as balas diminuíram a velocidade o suficiente para atingir Attridge durante seu mergulho a aproximadamente 4.000 m de distância, como nós calculamos. Ciência pura.

Quanto à natureza “uma em um milhão” deste evento, Attridge também reconheceu a física em jogo. Se você estiver voando e mergulhar na mesma trajetória em que você disparou, isso poderá acontecer novamente. Ele chegou a dizer: “Às velocidades a que estamos voando hoje (atirar em si mesmo) poderá ocorrer a qualquer momento”.

Publicidade
Click para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade
Publicidade

Em Alta