Se conecte com a gente

Aconteceu

Instituto de Química da UFBA transforma óleo recolhido de praias em carvão

Voluntários enviam material que é recebido pelo projeto

Publicado

no

Um levantamento feito recentemente mostrou que 81 toneladas de petróleo cru já tinham sido coletadas das praias de Salvador desde que as manchas do óleo vazado começaram a aparecer na areia. A Curiozone publicou uma matéria recentemente alertando para este que pode ser considerado o maior desastre ambiental no litoral brasileiro. Resta saber agora o que acontece com esse material recolhido e a resposta para esse questionamento é animadora: ele se torna uma fonte renovável. Isso porque um projeto do Instituto de Química da Universidade Federal da Bahia encontrou para ele um destino: transformá-lo em carvão. A técnica foi testada por membros do projeto “Compostagem Francisco”, que trabalha com processos de compostagem acelerada.

“Bioativadores criados aqui no instituto aceleram a degradação da matéria orgânica e, em 60 minutos, o petróleo é degradado e transformado em carvão”, explica a professora doutora Zenis Novais da Rocha, responsável pelo projeto. Com ela, trabalham na transformação do resíduo quatro estudantes – três de graduação e uma de doutorado.

De acordo com a professora, as máquinas disponíveis na universidade permitem transformar 50kg do óleo por dia, mas que o instituto ainda tem recebido o material em pouca quantidade. O que chega lá é trazido por voluntários que atuam na limpeza das praias.

“Esse processo de compostagem acelerada é limpo, não inflamável, com aditivos que não agridem o meio ambiente, e ainda não libera gases que seriam liberados em caso de incinerar o óleo, por exemplo. Então, é uma escolha com inúmeras vantagens”, explica a professora.

A reportagem do jornal Correio 24 horas diz que além do carvão, o petróleo pode ser transformado para outros usos, como materiais de construção civil, por exemplo, mas que seriam necessários estudos adicionais.

“O carvão a gente já sabe que deu certo, mas para outros usos é preciso realizar mais testes”, explica a pesquisadora.

Publicidade
Click para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade
Publicidade

Em Alta