Se conecte com a gente

Corpo Humano

Entenda como o corpo se recupera do novo coronavírus sem remédios

Pneumologista explica como o vírus ataca as células, como se reproduz e como organismo reage.

Publicado

no

Apesar de pouco ser noticiado, existem sim, pessoas se curando do novo coronavírus. Embora a hidroxicloroquina esteja sendo estudada para ser o medicamento específico no tratamento da Covid-19, ainda não há um medicamento para esta finalidade. É aí que surge a dúvida em algumas pessoas: como a pessoa que se infectou é curada? A resposta é simples: quem pegou a doença, vai ficar dependendo única e exclusivamente da ação dele para se recuperar: o sistema imunológico.

A transmissão do SARS-CoV-2 acontece de pessoa para pessoa, pelo contato com gotículas contaminadas presentes na saliva, no catarro, no espirro e na tosse.

“Alguém que está com a doença espirra ou tosse. Então, saem gotículas contaminadas que se fixam em alguma superfície. Outra pessoa põe a mão ali e, em seguida, coloca na boca, no nariz ou nos olhos e se contamina”, explica o pneumologista Elie Fiss, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

O ataque às células

Depois de ser contagiada, a pessoa recebe o coronavírus, que entra nas células das vias respiratórias. Absolutamente todo vírus é envolvido por uma capa leve de proteína e gordura (daí a importância de higienizar as mãos com água e sabão). Como você já deve saber, essa capa tem o formato de uma coroa feita de espinhos.

“Ele usa essa proteína da capa para se acoplar na receptor da célula, abrir a célula e entrar”, esclarece o especialista. Depois da entrada, o material genético do coronavírus, vai até o núcleo da célula.

Elie Fiss

“Ele usa o núcleo para fabricar outros vírus, é o que a gente chama de ‘replicação’. A partir disso, ele sai desta célula e ataca outras”, descreve.

A reação do organismo

Quando essa invasão acontece, o alarme do organismo logo é ativado. Esse mecanismo identifica o agente estranho, no caso o coronavírus, e aciona os linfócitos T, conhecidos como glóbulos brancos, que são as células de defesa do organismo.

Esses glóbulos brancos verificam em suas “memórias” se já tem anticorpos para o invasor. “Nesse caso, elas não têm, porque esse é um vírus novo, então chamam os linfócitos B para fazer a produção”, explica Fiss.

De acordo com o médico, 80% das pessoas conseguem produzir anticorpos rapidamente e se recuperam logo. Contudo, a outra parcela demora para fazer a produção e começa a ter uma reação inflamatória à ação do coronavírus, desencadeando um efeito cascata.

“Um monte de substâncias são produzidas. Elas causam uma inflamação que ocorre nos brônquios, nos pulmões e nos alveólos pulmonares”, afirma.

O doutor Fiss explica que tais substâncias ocupam os espaços entre os alvéolos e o sangue. É por esse motivo que o oxigênio não consegue passar e muitas pessoas sentem falta de ar.

A morte, é a consequência mais grave de todo esse processo. “Acontece quando a infecção pelo vírus se dissemina para outros órgãos e causa a falência múltipla”.

Como fortalecer o sistema imunológico?

Se você quer saber como fazer para manter o sistema imunológico imbatível e cada vez mais forte contra qualquer tipo de vírus ou bactéria, a Curiozone fez uma matéria mostrando como você pode turbinar seus glóbulos brancos e você pode acessar clicando aqui.

Publicidade
Click para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade
Publicidade

Em Alta