Se conecte com a gente

Aconteceu

Prestes a ser abatido, galo põe ovos, escapa da morte e acaba virando atração em SC

Galo Chico estava prestes a ser abatido, mas escapou da morte quando seu dono percebeu que ele botava ovos.

Publicado

no

Um caso extremamente inusitado e raro aconteceu recentemente no sul do Brasil. Um galo chamado Chico ficou famoso por colocar ovos. Isso mesmo, um galo colocou ovos! Segundo o agricultor Pedro Silva, o galo seria abatido, mas ele percebeu que o galo tinha uma aptidão super rara: botar ovos.

Pedro segurando no colo, o galo Chico, que escapou do abate após colocar ovos.

O susto do agricultor aconteceu em Caçador, no meio-oeste de Santa Catarina.

“Em 64 anos de vida, nunca tinha visto isso acontecer. Eu comprei ele em junho de 2020, quando ainda era um pintinho, para criar e fazer o abate para consumo próprio. Mas no último dia de vida, ele usou esse talento para escapar da morte”, disse o agricultor em entrevista ao Canal Rural.

De acordo com o portal o UOL, câmeras de segurança foram instaladas no galinheiro com o objetivo de averiguar o ocorrido, até porque ele suspeitou que poderia ser alguma brincadeira ou até mesmo alguma galinha que fosse escondida ao local.

Galo chico dentro do galinheiro.

Vivendo em um galinheiro com outros quatro galos, Chico já botou cerca de 12 ovos. O “talento” do galo fez com que agora, as únicas coisas que tenham como destino a panela sejam seus ovos.

“Eu já consumi um dos ovos, mas não senti nada de diferente em relação aos ovos das galinhas. Mas não sobram muitos, porque ele acaba pisando antes de eu recolher”, relatou Pedro.

Tanto Pedro quanto convidados já experimentaram os ovos, que são perfeitamente comestíveis.

Veterinária explica como isso é possível

A veterinária Bianca Ximenes explica que o galo tem uma mutação genética, que pode ter duas explicações.

“Existe o animal que pode ser hermafrodita, que tem alteração nas glândulas sexuais, tendo tanto ovário quanto testículo. E também há outra situação relatada na literatura de animais ginandromorfos bilaterais. São aqueles que têm DNA tanto de fêmea quanto de macho” aponta.

A pesquisadora do Embrapa Aves e Suínos Mariana Marques, que analisou os ovos, aponta que cinco a cada 10 mil (0,05%) aves de produção podem nascer com essa condição. Esses casos são raros e podem estar relacionados a mutações genéticas.

Pedro exibindo um dos ovos botados pelo galo Chico.

De acordo com Mariana, “A ciência sabe pouco sobre o hermafroditismo em aves, quando comparado ao conhecimento que se tem sobre essa condição em mamíferos”.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Em Alta