Se conecte com a gente

Ciência

Depressão pode ser diagnosticada com um simples exame de sangue

Cientistas desenvolvem novo exame de sangue que pode diagnosticar seu nível de depressão.

Publicado

no

A depressão sem dúvida nenhuma é um problema muito grave. E com ela não tem discriminação: ela pega todo mundo, de jovens até adultos. Por outro lado, a melhor forma para se combater um problema quando ele existe, é o reconhecendo. Embora muitos digam, sem ter a plena certeza, não são todos que de fato tem depressão. E ter esse diagnóstico parece ter ficado mais simples, conforme publicado na revista Molecular Psychiatry.

Recentemente, cientistas desenvolveram um exame capaz de monitorar biomarcadores sanguíneos ligados a distúrbios de humor que poderia levar a métodos inéditos de diagnosticar e tratar a depressão, bem como o transtorno bipolar através de um simples exame de sangue.

E isso é uma boa notícia, porque embora a depressão seja reconhecida há muitos anos e afete muita gente no mundo inteiro, seu diagnóstico ainda depende de avaliações clínicas de médicos, psicólogos e psiquiatras.

Exames de sangue sendo feitos.

Os exames de sangue podem informar tais avaliações de saúde, para ver se os sintomas da depressão podem estar relacionados a outros fatores, porém eles não são usados na prática clínica de diagnosticar a própria condição de forma objetiva e independente. A nova pesquisa sugere que essa pode ser uma opção bem prática no futuro.

Os pesquisadores identificaram, no novo estudo, 26 biomarcadores (que são indicadores mensuráveis e naturais) no sangue dos pacientes variavelmente ligados à incidência de transtornos de humor, que incluem mania, transtorno bipolar e depressão.

Depressão é o grande mal que atinge várias pessoas.

De acordo com o neurocientista e psiquiatra Alexander B. Niculescu, da Universidade de Indiana, “os biomarcadores sanguíneos estão emergindo como ferramentas importantes em distúrbios onde o auto-relato subjetivo por um indivíduo, ou uma impressão clínica de um profissional de saúde, nem sempre são confiáveis”.

Esses exames de sangue podem abrir a porta para uma correspondência precisa e personalizada com medicamentos e monitoramento objetivo da resposta ao tratamento.

Niculescu explorou essa abordagem por vários anos, desenvolvendo testes semelhantes baseados em biomarcadores sanguíneos para ajudar a prever o suicídio em pacientes, diagnosticar dor severa e medir níveis de TEPT (transtorno de estresse pós-traumático).

Ansiedade e depressão.

No novo estudo, realizado durante de quatro anos, os pesquisadores trabalharam com centenas de pacientes no Richard L. Roudebush VA Medical Center, em Indianápolis, EUA, realizando uma série de testes para identificar e confirmar biomarcadores de expressão genética no sangue que podem estar ligados a distúrbios de humor.

Em visitas com pacientes com depressão que concordaram em participar do estudo, seu humor (variando de baixo a alto) foi acompanhado em cada sessão, com amostras de sangue colhidas no momento.

Comparando as amostras com um banco de dados gigante composto por informações obtidas de 1.600 estudos sobre genética humana, expressão genética e expressão proteica, a equipe identificou uma série de biomarcadores ligados a transtornos de humor, encurtando a lista para 26 biomarcadores candidatos após validar seus resultados em um segundo conjunto de pacientes.

Depressão também atinge idosos.

Em um teste final, os pesquisadores investigaram outro grupo de pacientes psiquiátricos para ver se os 26 biomarcadores identificados poderiam determinar humor, depressão e mania nos participantes e também prever desfechos como futuras internações.

Depois de todas essas medidas, os pesquisadores dizem que 12 dos biomarcadores fornecem ligações particularmente fortes com a depressão, com seis dos mesmos ligados ao transtorno bipolar, e dois biomarcadores que podem indicar mania.

Ao rastrear cuidadosamente um fenótipo com nosso design dentro do assunto na etapa de descoberta e, em seguida, usando a priorização [genômica funcional convergente], somos capazes de extrair as alterações periféricas que acompanham e são relevantes para a atividade cerebral estudada, neste caso, estado de humor, e seus distúrbios.

De acordo com os pesquisadores, sua abordagem de precisão não apenas identifica propensão à depressão e outros transtornos de humor em pacientes, mas pode ajudar a destacar, com a bioinformática, drogas específicas que podem tratar melhor suas condições.

Neste estudo, os resultados sugeriram que uma série de medicamentos não antidepressivos existentes — incluindo pindolol, ciprofibrato, pioglitazona e adifenina — poderiam ser usados como antidepressivos, enquanto os compostos naturais asiaticoside e ácido clorogênico também poderiam ser considerados.

Dos principais genes biomarcadores ligados a distúrbios de humor, a equipe diz que oito estão envolvidos com o funcionamento circadiano, o que poderia ajudar a fornecer uma base molecular para explicar as ligações entre condições como depressão e fatores como distúrbios do sono.

“Isso explica por que alguns pacientes pioram com as mudanças sazonais e as alterações do sono que ocorrem em transtornos de humor”

Embora o exame de sangue como descrito seja uma prova científica de conceito por enquanto — o que significa que não há como dizer quando um teste como esse será disponibilizado amplamente — os pesquisadores esperam que seus resultados convençam a comunidade psiquiátrica de que a medicina de precisão tem um lugar no diagnóstico e tratamento da depressão.

“Isso faz parte do nosso esforço para trazer a psiquiatria do século XIX para o século 21, para ajudá-la a se transformar como outros campos contemporâneos, como a oncologia”, diz Niculescu.

Em última análise, de acordo com Niculescu, “a missão é salvar e melhorar vidas.”

Publicidade
Click para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade
Publicidade

Em Alta