Se conecte com a gente

Curiosidades

“Prove que você é humano”: a origem do Captcha

Como foi o surgimento desse sistema de verificação que, principalmente hoje, tão famoso.

Publicado

no

Identificar bicicletas, semáforos, carros ou barcos na tela. Quem precisa realizar um novo cadastro, geralmente dá de cara com esse desafio. Aquele que dedicou horas do seu dia a votação de programas como A Fazenda, ou até mesmo o Big Borther Brasil 21 então, ficou craque nisso.

Estamos falando do (tão famoso e falado no momento) Captcha, um sistema de verificação usado não somente nos paredões, mas em absolutamente qualquer formulário online ou procedimento que esteja vulnerável a ação de bots (programas de computador ou aplicativos de smartphone que podem desempenhar uma tarefa específica milhares de vezes em um único minuto ou até segundo).

Robô frente à um PC.

No ano de 2020, a TV Globo teve que se pronunciar a respeito das acusações de fraude no paredão que ficou disputado entre Manu Gavassi, Felipe Prior e Mari Gonzalez. Isso porque o GShow, site de entretenimento da emissora que abriga o sistema de votação do BBB, registrou cerca de 1,5 bilhão de votos: um número que representa nada mais nada menos, que toda a população da China.

Mascote do reality Big Brother Brasil.

É como se cada brasileiro tivesse votado nesse sistema em um intervalo de apenas dois dias.

(É óbvio que a gente sabe que esse programa tem hater pra caramba. Gente que não sabe nem da existência de mais uma edição do programa, e tampouco vota nesses tais paredões. Só que deu pra sacar a dimensão da coisa.)

Fã, com inúmeras abas do Chrome abertas votando para que a participante Sarah seja eliminada do programa.

Na época, foi dito que o número era resultado da ação de bots. Todavia, a emissora descartou a hipótese. Dentre os argumentos utilizados pela equipe do programa, está a verificação do Captcha a cada voto computado. Mas, afinal, por que ele é tão bom assim em evitar bots? Vamos conhecer hoje, em mais uma matéria da Curiozone.

Como funciona esse sistema de verificação?

Começando pelo nome, Captcha nada mais é do que uma sigla em inglês para Completely Automated Public Turing Test to Tell Computers and Humans Apart (ou “teste público de Turing completamente automatizado para distinguir computadores e pessoas”).

Resumindo a enrolação: é uma ferramenta para verificar se aquele que está na frente do computador é uma pessoa e não um robô.

A lógica do Captcha é a mesma do teste de Turing, criado pelo matemático inglês Alan Turing em 1950. Sim, agradeça a Agradeça a Alan Turing, ateu e homossexual, pai da ciência da computa… Não, pera isso não é o meme. O mesmo cara que quebrou a criptografia das mensagens nazistas na Segunda Guerra Mundial – e que foi decisivo para o avanço da computação e da inteligência artificial, criou um teste que segue uma lógica simples: avaliar se uma máquina consegue se passar por um humano.

Agradeça a Alan Turing, ateu e homossexual, pai da ciência da computação.

Na versão original, voluntários humanos são colocados diante de duas salas: uma com um computador, outra com uma pessoa. Eles são avisados que, numa delas, há uma máquina, e é preciso descobrir quem é quem. Se mais de um terço dos voluntários errar ao fazer o palpite, bingo: temos uma máquina inteligente.

Se você acha que identificar semáforos ou clicar em “Não sou um robô” são testes fáceis de burlar, ótimo! Significa que você é humano. Bots, contudo, têm mais dificuldade em tarefas de interpretação – por exemplo, identificar letras que estão distorcidas (há outros mecanismos de verificação, mas chegaremos nele mais adiante).

A internet e como esse sistema surgiu

No início dos anos 2000, o problema não era a votação no BBB, mas sim spams enviados por email e contas falsas criadas no chat do Yahoo!. A empresa de tecnologia, então, entrou em contato com a Universidade de Carnegie Mellon, nos EUA, para pensar em uma solução. Um grupo de estudantes liderado por Luis von Ahn criou a primeira forma de Captcha, baseada na identificação de letras.

Captcha de identificação de letras.

O sistema mostrava imagens de letras e números distorcidos, ou com elementos para dificultar a visualização. Um computador não consegue interpretar a imagem; um humano, sim. Para pessoas com deficiência visual, há a opção de ouvir o que está na tela. Atualmente, existem diversos tipos de Captchas, com base em textos, fotos e ilustrações.

Outros exemplos de Captchas

Após alguns anos, contudo, von Ahn percebeu que o Captcha forçava milhões de pessoas a digitarem palavras sem sentido diariamente – o que, para ele, parecia um desperdício de esforço humano. Foi quando pensou: “E se o sistema tivesse alguma utilidade para além da verificação?”

Em 2011, foi criado o reCaptcha, uma versão que utiliza trechos de livros ou artigos digitalizados. Ele mostrava duas palavras para o usuário: uma que seria a verificação, de fato; a outra, um termo de uma obra antiga que não conseguiu ser lido por um computador. É aí que está o pulo do gato: ao fazer o preenchimento rotineiro, as pessoas estariam ajudando a transcrever um livro. Palavra por palavra.

À medida que os sistemas de reconhecimento de texto se aprimoraram, o Captcha precisou evoluir também. As letras ficaram cada vez mais distorcidas, tornando a identificação difícil até nós, humanos. Mas a verdade é que os Captchas de texto são, hoje, cada vez mais raros – os sites têm optado pela versão em que você identifica objetos na imagem.

Em 2014, o Google lançou o “No-Captcha reCaptcha”, que hoje é a versão mais utilizada na internet. Ela pede que o usuário apenas clique em uma caixinha afirmando que não é um robô. Mas não se iluda com a simplicidade: a frase é meramente ilustrativa.

O que o sistema realmente faz é monitorar o seu comportamento naquela página – a maneira como o mouse se move, como a página é arrastada para baixo, como são feitos os cliques e por aí vai. Daí, se o Captcha não suspeitar que você é um robô, passa tranquilo pela blitz cibernética.

No entanto, se você estiver se comportando como um bot (por exemplo, votando repetidamente no paredão do BBB), o Captcha mostra imagens ou ilustrações e pede para identificar algum animal ou objeto. Por enquanto, esse se mostrou um jeito eficaz de evitar robôs, mas é provável que não dure por muito tempo. Há casos de algoritmos que conseguiram burlar os sistemas anteriores e atuaram como spammers.

Há ainda uma terceira versão do reCaptcha, lançada em 2018 pelo Google. Há pouco o que falar sobre ele, pois seu funcionamento é pouco detalhado. O que se sabe é que, quando uma pessoa entra em um site com o reCaptcha 3.0, mais aspectos comportamentais são monitorados. O usuário não precisa, em nenhum momento, marcar a caixinha ou interpretar imagens. Uma coisa dá pra garantir: à medida que os bots se tornarão mais sofisticados, os Captchas continuarão se reinventando.

Fonte: Revista Superinteressante

Publicidade
Click para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade
Publicidade

Em Alta