Se conecte com a gente

Aconteceu

Depósito de armas romanas de 2,1 mil anos é descoberto em ilha da Espanha

Arqueólogos realizaram escavações na ilha de Menorca e encontraram objetos como projéteis, facas e flechas que podem contribuir para o entendimento da história local.

Publicado

no

Foi no mês de julho, no sítio arqueológico de Son Catlar, o maior da ilha de Menorca, na Espanha, que uma equipe de arqueólogos encontrou um depósito de armas que pertenceram a soldados romanos em Ciutadella. A descoberta, que foi classificada como “extraordinária” por um dos pesquisadores, é datada de 100 a.C.

De acordo com informações da revista GALILEU, além da Universidade de Alicante e do Museu, as Universidades de Murcia, Granada e Cádiz contribuíram para o trabalho, que por conta das restrições da pandemia causada pelo novo coronavírus que surgiu na China, ficou suspenso por mais de um ano.

Não é raro ver esse tipo de material em campo. Contudo, os especialistas ficaram extremamente surpresos com o achado principalmente devido ao bom estado de preservação dos artefatos. Agora, armas, facas, pontas de flechas e de lanças, projéteis e ferramentas cirúrgicas são os novos componentes militares do acervo do Museu de Ciutadella, que também participou das investigações.

Materiais que estavam no depósito de armas datadas de 100 a.C.

Os típicos objetos carregados por soldados da Roma Antiga se encontravam enterrados numa área que continha uma espécie de porta selada característica da cultura púnica (cartaginesa). Segundo especialistas, a estrutura era atrelada à magia, usada como uma forma de se defender de ataques.

“Os soldados romanos eram muito supersticiosos e costumavam realizar ritos”, explicou, em nota, o pesquisador Fernando Prados.

Ainda de acordo com Fernando, os romanos davam um valor sagrado às portas das cidades, e por conta disso, selá-las definitivamente implicaria certas ações de natureza mágica.

Local escavado continha uma espécie de porta selada característica da cultura púnica.

O pesquisador garantiu ainda que a descoberta é bastante valiosa para o entendimento da história de Menorca e que devido ao estado de conservação da área de Son Catlar, vai ser possível avançar nos estudos sobre arqueologia de conflitos e de guerra.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Em Alta