Se conecte com a gente

Tecnologia

Ainda em fase de testes, metaverso da Meta tem primeiras denúncias de assédio sexual

Uma usuária da plataforma social de realidade virtual disse que teve seu avatar ‘apalpado’.

Publicado

no

Foto: Reprodução/Google

A empresa Meta, dona de marcas como Oculus, Facebook e WhatsApp, ampliou os testes com o público da sua plataforma do metaverso. O Horizon Worlds foi liberado para alguns milhares de voluntários nos Estados Unidos e Canadá, dando a eles a chance de visitar praças públicas e participar de brincadeiras, conversas e eventos.

Só que o serviço virtual já parece real até demais. Isso porque de acordo com informações do jornal O Globo, diferentes comportamentos abusivos foram denunciados nas últimas semanas, incluindo o que já é considerado o primeiro assédio registrado na história desse metaverso.

O portal The Verge reporta que o caso aconteceu com uma mulher que participava de um teste e reportou nos fóruns do Horizon Worlds que teve o avatar “apalpado” por um desconhecido.

“Assédio sexual não é brincadeira na internet normal, mas estar em Realidade Virtual adiciona toda uma nova camada que faz o evento ficar ainda mais intenso”, escreveu a vítima.

Sem ter o nome divulgado, a voluntária ainda denunciou que várias pessoas ao redor “apoiaram o comportamento” e não prestaram ajuda, o que só a deixou ainda mais desconfortável. O incidente ocorreu no Plaza, o principal ambiente público do Horizon Worlds.

Em conversa com o The Verge, o vice-presidente do projeto, Vivek Sharma chamou o caso de “absolutamente infeliz” e diz que a companhia já analisou o ocorrido.

Entretanto, ele também colocou parte da culpa na própria participante: Sharma relatou que em nenhum momento ela não utilizou os mecanismos de segurança do metaverso, a chamada Safe Zone (“Zona Segura”).

Como mostra o vídeo, ela abre um menu especial e cria uma “bolha” em seu avatar, permitindo que você fique isolado, coloque pessoas ao seu redor no mudo ou em modo de bloqueio, além de permitir a denúncia.

Em abril deste ano, a Curiozone reuniu um compilado de comentários feitos em uma situação parecida. O banco Bradesco decidiu criar uma campanha de conscientização contra o assédio que BIA, sua inteligência artificial estava sofrendo por parte dos clientes. O resultado foram diversos comentários ironizando a situação.

Campanha BIA do Bradesco contra o assédio.

A Meta ainda reconheceu que a denúncia foi importante e pode utilizar esse tipo de caso para facilitar a abertura do modo de segurança em versões futuras, tornando a ação intuitiva.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Em Alta