Se conecte com a gente

Aconteceu

Adele é chamada de transfóbica após discursar em premiação dizendo que ama ser mulher

Cantora esteve no Brit Awards 2022, onde venceu três prêmios principais.

Publicado

no

Sabe aquele meme que algumas pessoas na internet dizem que, qualquer dia desses, ser hétero vai acabar sendo uma ofensa? De fato, todo mundo imagina ser um exagero pensar uma coisa dessas. Bom, exagero até agora. Isso porque recentemente em uma premiação, a cantora britânica Adele fez um discurso que desagradou integrantes da comunidade LGBTQIA+. A artista agora está sendo acusada de transfobia por declarar, em uma premiação que aderiu ao gênero neutro, que ama “ser mulher”.

A cantora de “Rolling in the Deep” fez o comentário no Brit Awards desta terça-feira (08) ao receber o prêmio de Artista do Ano, uma categoria recém-criada que mescla os antigos prêmios de Melhor Artista Masculino e Melhor Artista Feminina.

“Eu entendo porque o nome deste prêmio mudou, mas eu realmente amo ser mulher e ser uma artista feminina!”, disse Adele acompanhada por grandes aplausos.

Apesar do apoio do público na enorme O2 Arena de Londres, seus comentários rapidamente provocaram indignação online – tornando-a a mais recente figura de destaque acusada de ser, segundo os militantes, uma feminista radical trans-excludente. Do nível J. K. Rowling, sabe?

Cantora Adele.

“Quem teria pensado que Adele era transfóbica e usaria sua plataforma para pedir a destruição da comunidade trans. Especialmente os adolescentes confusos”, postou outro usuário de longa data do Twitter.

Uma reportagem do jornal Times, de Londres, mostrou que outros reclamaram que “perderam muito respeito por Adele” e não iriam mais “gastar um centavo em sua música”.

Os comentários, no entanto, não se resumiram a ataques. Após as acusações de transfobia, diversos outros fãs saíram em defesa da britânica de 33 anos: “Obrigado @Adele. Apenas, obrigado. Por falar as 2 palavras sendo difamadas. Mulher. Feminino”, tuitou o autor e ativista de refugiados Onjali Rauf.

A autora e consultora de mídia Jane Symons também disse que não sabia “se chorava ou gritava” com os últimos ataques: “Há uma década, se alguém dissesse que uma mulher seria [criticada] pelo crime de pensamento de dizer que gosta de ser mulher, eu teria rido de uma sugestão tão ridícula. Agora está acontecendo”, escreveu ela.

Adele é chamada de transfóbica após discursar em premiação dizendo que ama ser mulher.

Em um artigo de opinião na revista britânica Spectator, a professora Debbie Hayton disse que Adele arriscou se juntar ao grupo de “mulheres talentosas” como a autora de “Harry Potter” , JK Rowling , que “foram perseguidas e perseguidas sem piedade, simplesmente por defender seu sexo”.

“A mensagem de Adele para mulheres e meninas foi inspiradora. Aqui estava uma mulher – que vendeu dezenas de milhões de álbuns – dizendo ao mundo que estava orgulhosa de ser mulher. Isso é algo para comemorar, não condenar”, escreveu ela.

A professora disse que “as garotas precisam de modelos e na noite passada Adele deu um passo à frente. Por isso, ela merece aplausos, ainda maiores do que a adulação que recebeu por sua música.”

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Em Alta