Se conecte com a gente

Aconteceu

Estudo concluiu que comunismo torna as nações mais pobres e menos saudáveis por décadas

Publicado

no

Foto: Arte/Curiozone

Se antes você tinha dúvidas, agora a ciência deu a resposta. Viver sob o comunismo é capaz de tornar um país mais pobre e menos saudável por décadas. Essa foi a conclusão de um estudo publicado na revista Royal Society Open Science em 2018. De acordo com a descoberta dos pesquisadores, que testaram conexões históricas entre culturas, o fato de um país ter ficado sob o comunismo era o maior fato para aqueles com níveis de saúde, renda e educação mais baixos.

A análise no primeiro empreendimento desse tipo, foi feita com 44 países da Europa e da Ásia onde foram examinados a religão, a geografia, os sistemas de governo e uma qualidade mais intangível chamada “ancestralidade cultural profunda”.

No primeiro empreendimento desse tipo, eles analisaram a sorte de 44 países da Europa e da Ásia e examinaram a geografia, a religião, os sistemas de governo e uma qualidade mais intangível chamada “ancestralidade cultural profunda”.

Comunismo, a ideologia política.

Escrevendo na revista, eles compararam esses fatores com sua classificação no Índice de Desenvolvimento Humano das Nações Unidas, que mede a renda per capita, a expectativa de vida ao nascer e o número de anos que seus cidadãos passam na educação.

A maioria das questões examinadas parecia ter pouco ou nenhum efeito sobre as disparidades entre os países, exceto para os países islâmicos com uma pontuação um pouco pior na educação.

Em vez disso, o indicador mais forte para a saúde de um país, e o segundo mais forte para sua riqueza, acabou sendo se seus governantes haviam abraçado o comunismo.

Ditador comunista cubano Fidel Castro.

O estudo ganhou repercussão em uma matéria do jornal New York Post, que conta que o estudo diz que após a Segunda Guerra Mundial, o crescimento econômico na Europa Oriental comunista foi mais lento do que no Ocidente, mas apesar do colapso da União Soviética há quase 30 anos, os efeitos ainda estão sendo sentidos.

O estudo diz que o comunismo também esteve por trás da estagnação da expectativa de vida por trás da Cortina de Ferro durante os anos 1970 e 1980, o que fez esses países retrocederem até hoje.

Protestos tomaram as ruas de Cuba em diversas cidades.

Os pesquisadores afirmam: “As causas imediatas para essa baixa expectativa de vida são complexas, mas o alto consumo de álcool, o tabagismo e a falta de segurança no local de trabalho, bem como a dieta de baixa qualidade e as condições de vida associadas a níveis de renda mais baixos estão implicados”.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Em Alta