Se conecte com a gente

Ciência

Professor de física ensina técnica para furar maçã com canudo de papel; confira o vídeo

Publicado

no

Foto: Reprodução/Twitter

Pode até parecer fake, mas não é: dá, sim, para perfurar uma maçã usando apenas um canudo de papel — desde que você cubra a entrada do tubo com o dedo.

É o que mostra o mestre em física Eduardo Sato, em um vídeo postado nas redes sociais nesta quarta-feira (6). O divulgador científico do Instituto Princípia fez o experimento, explicou por que a técnica dá certo e superou a marca de 900 mil visualizações, somando o Twitter e o TikTok.

Ele conta como essa “mágica” pode acontecer: “Quando você fecha a ponta do canudo, o ar fica preso dentro dele. Isso serve tanto para fazer pressão na maçã, quanto para manter a estrutura do canudo firme”, afirma.

“Uma analogia legal é tentar pensar em amassar uma garrafa de água cheia. Se ela estiver aberta, fica mais fácil. Com a tampa, o ar vai deixá-la mais rígida.”

Em entrevista ao portal G1, Sato conta que a ideia veio recentemente, enquanto ele ia para uma loja que vende ‘bubble tea’ [mistura de chá com frutas, leite ou iogurte], e o copo veio selado com um plástico. O professor conta que o atendente da loja lhe falou da técnica de colocar o dedo na entrada do canudo, pois assim conseguiria furar a película do copo que ele não estava conseguindo abrir.

Na hora, Sato lembrou que essa mesma experiência foi feita em um episódio de “O Mundo de Beakman”, programa divertido sobre ciência que era transmitido na TV Cultura na década de 1990. Decidiu, então, repeti-la.

“Já vi tanta gente tentando furar esse copo de chá e fazendo a maior sujeira… Gravei o vídeo pensando nisso. Mas confesso que não imaginava tanta repercussão.”, contou o professor.

Com as milhares de visualizações do vídeo, vieram também comentários e dúvidas um tanto curiosos.

Sato relata que dezenas de usuários das redes sociais perguntaram se esta técnica do canudo serviria para furar… pessoas. “Não sei se era piada, mas fiquei um pouco assustado”, brinca.

Houve também reações mais românticas, como a de um espectador que contou ter usado o vídeo para puxar assunto com a crush:

Ao que parece, o objetivo original foi atingido: popularizar a ciência e aproximá-la dos jovens.

“Não é para ter medo da física. Quero mostrar que ela é interessante e não precisa ser tão dolorosa. Aprender é divertido”, afirma Sato.

O professor finalizou dizendo esperar que outros professores aprendam maneiras novas de demonstrar conceitos científicos com materiais acessíveis: “No caso da maçã, nada é desperdiçado: dá até para fazer um lanchinho depois.”, conta.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Em Alta