Se conecte com a gente

Contando História

Essa foi a opinião que um ex-escravo deu ao lhe perguntarem sobre a princesa Isabel

Publicado

no

Foto: Reprodução/Google

A coluna Contando História é aquela que (existe no portal da Curiozone mas que) de uns tempos pra cá, só se apresenta de vez em quando. Muita gente por aqui já leu vários textos, desde o que fala sobre o Confronto que deu origem ao Exército brasileiro (e que foi divulgado até mesmo por eles), até sobre o envolvimento da princesa Isabel com as camélias e o que ela tem a ver com a abolição, isso sem contar o texto sobre o catarismo no século XIII, que foi um dos mais acessados.

A realidade, é que com o anúncio do professor de história Leandro Buffon como novo integrante do time de colunistas do site, a Contando História pôde dar um tempo, e deixar nas mãos do mestre a missão de compartilhar (com um pouco mais de frequência), curiosidades e reflexões sobre o passado. Só que hoje, essa coluna decidiu voltar, e em uma data importante para a história do país: o 13 de maio.

Longe de no melhor estilo Kéfera ser contra o “Livresplaining”, ou seja, calar a voz do homem livre e permitir que apenas ex-escravos falem sobre a escravidão, a Contando História de hoje busca, unicamente, manter vivo um registro histórico extremamente precioso de um brasileiro muito importante.

Há quem acredite que o ‘lugar de fala’ é algo importante no combate a injustiças sociais, e que só aquele que vivencia um determinado problema pode falar a respeito dele. A discussão que a publicação dessa coluna pretende gerar hoje, não é sobre se você acredita ou não nisso. Porém, se você acredita, não deixa de ser curioso notar o que um ex-escravo disse a respeito da escravidão, da abolição da escravatura e da princesa Isabel, quando lhe perguntaram sobre ela.

Manoel Deodoro Maciel, ex-escravo brasileiro.

O ex-escravo a falar no registro é Manoel Deodoro Maciel, que nasceu por volta de 1869. Manoel, no vídeo, está com os seus 120 anos de vida, mas com uma lucidez de dar inveja a muito jovem. Segundo o jornalista do documentário, porém, o ex-escravo infelizmente morreu quatro dias após a filmagem.

O brasileiro fala um pouco sobre como foi a abolição, e quando fala sobre ela, acaba deixando sobressair o que ele realmente achava sobre a princesa Isabel, ao ser perguntado sobre o coração da filha de Dom Pedro II.

Além disso, o homem fala ainda sobre como era ter se tornado uma “celebridade”, onde todos que o visitavam lhe davam uma quantia em dinheiro para tirarem uma foto com ele: “Gosto e adoro”, confessou Manoel ao ser perguntado se gostava de ter virado uma estrela e ganhar uns trocados.

E não é pra menos né? Seu Manoel foi um brasileiro de peso. Uma grande preciosidade como pessoa.

O vídeo acima é um trecho postado no Instagram oficial da Curiozone do documentário “O Fio da Memória” de Eduardo Coutinho. O documentário, entre outras coisas, ajuda na reflexão sobre como mesmo após a escravidão ser abolida no Brasil, a desigualdade social permaneceu na república e, ao que tudo indica, jamais foi derrotada.

Não se esqueça de seguir o Instagram da página @curiozone.png para acompanhar outras curiosidades como essa que não saem no Facebook.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Em Alta