Se conecte com a gente

Tecnologia

Apple enfrenta ação judicial milionária por suposta piora intencional de smartphones

Se perder, a empresa pode ser obrigada a pagar £ 750 milhões (cerca de R$, 4,7 bilhões) para cerca de 25 milhões de pessoas que teoricamente tiveram telefones antigos afetados no Reino Unido.

Publicado

no

Foto: Reprodução/Google

A obsolescência programada é um fenômeno já admitido de forma oficial pela Apple. Na prática, os modelos de iPhone mais antigos passam por atualizações que os deixam mais lentos. De acordo com a empresa, porém, isso não acontece com o objetivo de fazer com que o consumidor compre um novo produto. No entanto, não é dessa forma que muitos usuários observam.

Em diversos países pelo mundo, a gigante da tecnologia foi alvo de ações judiciais por conta da prática. A mais recente está acontecendo no Reino Unido, onde de acordo com informações do jornal The Guardian, a empresa está sendo acusada de “desacelerar” secretamente telefones lançados antes de 2017, por meio de atualizações periódicas do sistema operacional.

Justin Gutmann, ativista dos direitos do consumidor, abriu a ação contra a Apple. Caso ele saia vitorioso, a empresa pode ser obrigada a pagar o equivalente a cerca de R$ 4,7 bilhões para cerca de 25 milhões de pessoas que teoricamente tiveram telefones antigos afetados no país. Entretanto, o britânico não informou como funcionaria o sistema de compensação coletiva, caso a Apple perca na Justiça.

Gutmann alega que a empresa enganou os usuários sobre uma atualização que, segundo o ativista, melhoraria o desempenho dos smartphones, quando, na verdade, os deixou mais lentos.

Instagram no iPhone.

A reivindicação que está na Justiça britânica se refere aos modelos iPhone 6, 6 Plus, 6S, 6S Plus, SE, 7, 7 Plus, 8, 8 Plus e iPhone X.

“Em vez de fazer a coisa honrosa e legal por seus clientes e oferecer uma substituição gratuita, serviço de reparo ou compensação, a Apple enganou as pessoas ao ocultar uma ferramenta nas atualizações de software que retardaram seus dispositivos em até 58%”, disse Justin Gutmann.

O ativista declarou estar lançando este processo para que milhões de usuários de iPhone em todo o Reino Unido recebam reparação pelo que classificou como danos sofridos as ações da empresa.

Em nota, a Apple manifestou que jamais encurtou intencionalmente a vida útil de seus produtos.

Na Itália, a empresa foi multada em € 10 milhões, ao lado da Samsung, que foi multada em € 5 milhões, por um programa semelhante. Por sua vez, nos Estados Unidos, a gigante de tecnologia foi derrotada em uma ação coletiva em 2020.

Publicidade
Publicidade

Em Alta