Se conecte com a gente

Aconteceu

Filme Top Gun: Maverick se torna a maior bilheteria de estreia da carreira de Tom Cruise

Publicado

no

Foto: Reprodução/Google

A militância tem motivos para se entristecer. Nos três primeiros dias de estreia nos EUA, o filme Top Gun: Maverick conseguiu quase US$ 125 milhões (cerca de R$ 600 milhões) em bilheteria. Trata-se de um recorde para a carreira de Tom Cruise, protagonista do filme. No mundo, Maverick arrecadou US$ 250 milhões (quase R$ 1,20 bilhão). As informações são do jornal O Globo.

Antes de Top Gun: Maverick, a maior estreia de Cruise havia sido em 2005, com Guerra dos Mundos, que faturou US$ 64 milhões. Em segundo lugar está Missão: Impossível — Efeito Fallout, com US$ 61 milhões na estreia, em 2018.

Filme Top Gun: Maverick se torna a maior bilheteria de estreia da carreira de Tom Cruise.

Top Gun: Maverick marca a volta de Cruise ao papel do piloto da Marinha norte-americana Pete Mitchell, três décadas depois do primeiro filme, em 1986. “Esses resultados são absurdamente fantásticos”, comunicou Chris Aronson, presidente de distribuição doméstica da Paramount, em uma nota publicada no domingo 29. “Estou feliz por todos, pela empresa, por Tom e pelos cineastas.”

Filme recebeu críticas por “masculinidade excessiva”

Ao estrear, em 26 de maio no Brasil, Top Gun: Maverick recebeu críticas de “masculinidade excessiva” e “testosterona demais”. No site especializado Omelete, o crítico Marcelo Hessel sustentou que o longa-metragem é voltado essencialmente para o público masculino “na faixa dos 40 anos”.

O filme não teria interesse em atingir o público mais jovem de hoje, porque “chega pronto para atender a essa demografia emasculada, que perdeu suas convicções para o discurso identitário no novo milênio”.

Meme do Gigachad.

Guilherme Genestretti, do jornal Folha de S.Paulo, argumentou que a produção “faz ode à testosterona e ignora qualquer aceno ao feminismo”.

Por outro lado, Cruise defendeu a superprodução, afirmando que o espírito do filme permaneceria o mesmo. “Qual é a história de Maverick 30 anos depois? Porque ele não muda. Ele é aquele mesmo cara e ponto final”, disse.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Em Alta