Se conecte com a gente

Aconteceu

Banco alerta para risco de hiperinflação na Argentina por conta de desequilíbrio econômico

Diferente de economias como Canadá, EUA e Brasil, situação em países como a Argentina e até Rússia são devido a questões internas.

Publicado

no

Falta de produtos no supermercado, preços cada vez maiores. A Argentina não tem uma previsão econômica das melhores. Isso porque um relatório divulgado na terça (05) pelo banco JP Morgan, aponta que o país parece estar fazendo o dever de casa para que aconteça um grande surto inflacionário em breve.

De acordo com informações do jornal El Cronista, a financeira diz que a chegada de Silvina Batakis ao Ministério da Economia desequilibrou as expectativas que ainda tinham para o governo e acabou desencadeando o caos no mercado cambial e financeiro. O banco afirmou que pode ocorrer a eclosão da hiperinflação moderna — a principal razão é o desequilíbrio na macroeconomia: o superávit monetário de pesos em circulação e o déficit fiscal insustentável.

Embora não haja um parâmetro único para determinar o ponto em que a própria hiperinflação ocorre, durante o século XX havia uma convenção para entender a hiperinflação como o aumento mensal dos preços acima de 50%. Mas, em termos modernos, isso pode ser relaxado por parâmetros menos rigorosos.

Para evitar o colapso, o relatório da financeira explica que isso só será possível por meio de um amplo programa de estabilização, mas o atual governo não é capaz de realizá-lo.

“O caminho a seguir parece instável, tornando qualquer ajuste ortodoxo politicamente caro e, portanto, inviável”, destacou a instituição.

O nível do risco-país da Argentina subiu para um pico recorde de 2.654 pontos-base na quarta-feira 6. O motivo é a crescente desconfiança sobre a economia doméstica e às consequências de tensões dentro da coalizão política no poder.

Esse indicador, compilado pelo banco JP Morgan, já havia atingido um pico de 2.593 pontos-base um dia antes, quando os preços dos títulos soberanos do país despencaram 3,6% devido a mudanças na equipe econômica do governo.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Em Alta