Se conecte com a gente

Aconteceu

Entrevista com Luva de Pedreiro na TV pode ter proporções maiores após liminar da Justiça

Publicado

no

Foto: Reprodução/Google

Uma liminar concedida ao empresário Allan Jesus proibiu Record e Globo de falarem detalhes contratuais entre ele o influenciador Luva de Pedreiro nas reportagens exibidas ontem (03) nos programas Domingo Espetacular e Fantástico.

Em nota lida no ar, a TV Globo entendeu que “a liminar concedida viola a liberdade de imprensa e de expressão, pilares da democracia e protegidas pela Constituição brasileira. Por isso, vai recorrer da decisão”.

Além da emissora carioca, a Record também recorrerá.

Na decisão, a juíza Maria Luísa de Brito Lima, do Rio de Janeiro, impede “a divulgação de informações sigilosas do contrato entre os dois e proíbe que seja exibida qualquer manifestação que fomente discurso de ódio contra o ex-empresário que vem sofrendo ameaças nas redes sociais”.

O entendimento do STF, contudo, é que casos assim configuram censura prévia. Além disso, afirmar que isso fomentaria ‘discurso de ódio’ foi apenas uma carta coringa para poder impedir que o público tome conhecimento das informações.

Em outras palavras, Allan Jesus assumiu, ao censurar as emissoras, que informações do contrato que ele não quis que fossem exibidas, podem de fato, ser estarrecedoras ao público.

Luva de Pedreiro afirma ter assinado contrato de ex-empresário Allan Jesus sem ler.

Se antes Allan Jesus e seu contrato com Luva de Pedreiro seriam falados apenas em um único fim de semana, agora o caso pode se estender por mais tempo. Isso porque o que Globo e Record, fazem neste momento, na prática, é comprar a briga do influenciador baiano. Com a derrubada da liminar que proibiu as emissoras de citarem Allan Jesus, o material jornalístico que foi censurado poderá ser exibido imediatamente para que o público tome conhecimento de todas as informações.

Na entrevista exibida no ‘Fantástico’, o público já pôde ter uma noção do prejuízo que Luva sofreu. Ao programa, o influenciador revelou que por ser semianalfabeto, nem ele, nem seus pais leram o contrato assinado com o ex-empresário. Além disso, segundo o advogado de seus atuais empresários, o ex-empresário continua com seus documentos pessoais, como RG, CPF, passaporte e contratos profissionais.

Muita coisa ainda está por vir, e o ex-empresário acabu, com a liminar, colocando mais lenha na fogueira.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Em Alta