Se conecte com a gente

Aconteceu

Mulheres deverão indenizar motorista do Uber por falsa acusação de tentativa de dopagem

Publicado

no

Um motorista de aplicativo acabou sendo vítima de uma acusação falsa de duas mulheres, e por conta disso, deverá receber uma indenização delas.

O caso aconteceu no último ano, em novembro, quando ao iniciar uma corrida, o motorista ofereceu álcool com essência de canela para que uma passageira higienizasse suas mãos. Ao sentir o cheiro do produto, a mulher alegou que teria passado mal, e solicitou então o desembarque, quando tirou as fotos do carro e fez uma postagem que acabou viralizando nas redes sociais.

Na publicação em que a mulher o acusava de ter tentado dopá-la, não foram divulgadas informações sobre ele. Contudo, ela afirmou que caso alguém solicitasse, repassaria os dados via mensagem privada.

Ao ficar sabendo da acusação, o rapaz se dirigiu imediatamente à delegacia e entregou o álcool para a perícia, que descartou a suspeita ao constatar que não havia qualquer tipo de substância tóxica no produto. Entretanto, uma das seguidoras da mulher que fez postagem, passou a divulgar dados pessoais do motorista, incluindo o endereço da casa dele.

“Esse pilantra mora na rua…”, escreveu ela ao reproduzir o perfil do rapaz incitando ataques ao motorista.

Os dados do motorista acabaram viralizando, fazendo com que ele tivesse seu vínculo rompido com a plataforma de transporte. Além disso, o motorista contou à Justiça que passou por um profundo abalo psicológico por conta das acusações.

Agora, ele deverá receber delas uma indenização de R$ 20 mil. De acordo com informações do portal UOL, a decisão foi da juíza Andrea Amaral Roman, da 2ª Vara do Juizado Especial Cível de Santos (SP).

De acordo com a magistrada, a acusação nas redes sociais antes que houvesse o resultado do laudo sobre o álcool, foi “desmedida, abusiva e manifestamente ilegal”. A conduta expressaria uma fúria capaz de depreciar a imagem de alguém mesmo que sem provas concretas. Portanto, condenou que cada uma das mulheres indenizasse o motorista em R$ 10 mil.

A juíza relatou ainda que “Não se discute se houve algum xingamento ou crítica, mas a veracidade dos fatos, pois elas deveriam primeiro ter buscado as vias próprias para a obtenção do seu direito, mediante a certeza dos fatos, antes de realizar postagens”.

O caso tramita com o número 1005495-05.2022.8.26.0562, e cabe recurso.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Em Alta