Se conecte com a gente

Aconteceu

Executivo demitido e substituído por mulher negra ganha indenização milionária na justiça

David Duvall foi demitido, e em seguida substituído por duas mulheres, entre as quais uma negra, como parte de um programa da Novant Health pela diversidade.

Publicado

no

Um homem branco recebeu um pagamento de US$ 10 milhões em uma ação judicial de rescisão injustificada movida contra a empresa que o demitiu e o substituiu por duas mulheres, entre as quais uma negra como parte de um esforço pela diversidade.

De acordo com informações da CNN, David Duvall foi contratado como vice-presidente sênior de marketing e comunicações pela Novant Health Inc., um sistema de saúde sem fins lucrativos com sede na Carolina do Norte com 15 centros médicos e mais de 1.800 médicos, em 5 de agosto de 2013.

Segundo a rede de notícias americana, ele foi despedido “sem aviso prévio” em 30 de julho de 2018 e expulso das instalações da Novant. Como parte do plano de demissão da Novant, qualquer executivo que fosse demitido sem justa causa receberia, “em circunstâncias normais”, um aviso de 30 dias dessa decisão. Contudo, Duvall foi demitido “sem qualquer explicação”.

David Duvall foi demitido, e em seguida substituído por duas mulheres, entre as quais uma negra, como parte de um programa da Novant Health pela diversidade.

A petição judicial alega que Duvall, que estava “tendo um desempenho de alto nível e excedendo as expectativas de desempenho”, foi então substituído por uma mulher branca e uma mulher negra “com o propósito expresso de aumentar a diversidade racial e de gênero entre os executivos da Novant”, que seu o advogado, Luke Largess, argumentou que constituía discriminação com base no sexo e na raça.

“A rescisão do Requerente pelo Réu por conta de sua raça e sexo violou diretamente esta política pública expressa do Estado da Carolina do Norte. Portanto, a rescisão do Requerente foi injusta e ilegal segundo a lei estadual”, diz a denúncia.

Na terça-feira, um júri do caso decidiu que Duvall havia provado que sua “raça (caucasiana) e/ou seu sexo (masculino) foi um fator motivador na decisão da Novant Health de demiti-lo”.

Uma placa fora da sede da Novant Health em Winston-Salem, Carolina do Norte, em 14 de setembro de 2019.

O júri também concluiu que a Novant Health não foi capaz de provar que teria tomado a mesma decisão, independentemente da raça e/ou sexo de Duvall, de acordo com a denúncia.

Duvall recebeu US $ 10 milhões em danos punitivos da Novant Health, mostram os registros do tribunal.

Megan Rivers, diretora de relações com a mídia da Novant Health, disse à CNN em um e-mail que o sistema de saúde está decepcionado com o veredicto e buscará todas as opções, incluindo apelação.

“A Novant Health é uma das milhares de organizações que implementam programas robustos de diversidade e inclusão, que acreditamos que podem coexistir com fortes políticas não discriminatórias que se estendem a todas as raças e gêneros, incluindo homens brancos”, escreveu ela. “É importante para todos os membros atuais e futuros da equipe saberem que este veredicto não mudará o compromisso inabalável da Novant Health com a diversidade, inclusão e igualdade para todos.”

Megan afirmou ainda que o processo de Duvall “é uma declaração contra os programas de diversidade e inclusão”.

“O júri aprendeu que Duvall era um forte defensor da diversidade e inclusão na Novant; ele participava de um comitê executivo que apoiava a iniciativa e sua equipe fornecia marketing para o programa. Essa foi uma ironia em sua demissão, sua crença na diversidade e inclusão .Mas esses programas devem ser executados legalmente”, disse Largess.

“Acreditamos que a indenização por danos punitivos foi uma mensagem de que um empregador não pode demitir e substituir funcionários simplesmente com base em sua raça ou sexo, a fim de atingir metas de maior diversidade na força de trabalho. É claramente ilegal e prejudicial e isso era óbvio para o júri”, ele adicionou.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Em Alta