O que acontece quando se criam impostos para os mais ricos?

Todo mundo um dia já parou pra pensar em soluções para problemas que envolvem a crise no Brasil. Algum dia você com certeza já deve ter pensado: "Se o Brasil está em crise, por que o governo não imprime mais dinheiro e acaba com o problema?" Mas tudo não passa de uma mera ilusão.

Como seria se a Terra tivesse anéis assim como Saturno?

Nossa visão do céu seria bem diferente. A exemplo de Saturno, os anéis estariam entre 7 mil e 80 mil km acima da superfície, posicionados acima da Linha do Equador. Vem ver mais.

Mulheres que abortam têm mais chances de cometer suicídio, segundo estudo

Mulheres que fazem abortos também têm quase o dobro de risco de desenvolver problemas mentais em comparação com as demais pessoas, segundo estudo.

30 curiosidades que você não sabia sobre os cachorros

Será que você conhece tanto assim sobre os cachorros? Veja nosso artigo

Fumar maconha apenas 5 vezes na adolescência já aumenta risco de psicose, segundo estudo

Fumar maconha pode não ter os mesmos efeitos para todo mundo e, quando o início do hábito começa na adolescência, é ainda mais prejudicial.

17/08/2018

Em solidariedade, SBT pede doações de seus seguidores para o Criança Esperança mas não dá muito certo

Parece que virou costume. Não é a primeira vez que o SBT faz menção à Rede Globo como uma forma de amenizar a imagem de que ambas as emissoras são rivais. Anteriormente a emissora já havia parabenizado por seu aniversário, ironia do destino, foi o Silvio Santos que impediu que a Globo viesse a falir há muito tempo atrás, como já relatou Boni em uma entrevista à Raul Gil. 

Dessa vez, a emissora de Silvio Santos, através de seu perfil no Instagram, pediu doações ao Criança Esperança como você pode ver na postagem oficial abaixo. 

Uma publicação compartilhada por SBT (@sbtonline) em

O problema no entanto, é que nem tudo saiu como deveria ter sido. Ao que parece, o Criança Esperança perdeu a credibilidade e nem mesmo com o SBT pedindo, as pessoas querem doar para lá. Veja:





E você, concorda com os comentários e não doaria para o Criança Esperança? Deixe sua opinião abaixo e não se esqueça de escolher uma rede social para compartilhar essa postagem com seus amigos.

13/08/2018

A incrível história do piloto que derrubou seu próprio avião

O piloto de testes da Grumman, chamado Tom Attridge foi derrubado por balas que atravessaram a fuselagem e o canopy de seu F11F Tiger e isso acabou obrigando o piloto a fazer um pouso forçado. Era 21 de setembro de 1956 e o forte impacto com o solo destruiu por completo o avião e ainda rendeu para Attridge uma perna fraturada e três vértebras.

Inicialmente, as bocas dos quatro canhões de 20 mm do novo caça Gruman estavam próximas às entradas de ar, por isso as cápsulas vazias e as cintas das balas eram ejetadas arranhando a pintura e até amassando a fuselagem. Esse problema tinha que ser eliminado, então os canhões foram recuados e, as cintas eram armazenadas, enquanto as cápsulas eram ejetadas para longe da aeronave. 

Attridge disparou uma série de rajadas em uma missão para testar o novo sistema de armas do jato supersônico, aumentou seu ângulo de descida e ainda disparou mais um pouco. Só que quase um minuto depois de disparar a primeira rajada, ele foi atingido por projéteis – e pasmem! Eram os seus. 


Sabemos sem dúvida nenhuma que isso realmente aconteceu, por isso é inútil especular se um avião poderia realmente se derrubar. Mas, no espírito da investigação científica, é interessante analisar como tal fato – considerado como "um em um milhão" – aconteceu, é ciência pura.

Trajetória e trigonometria

Graças aos relatórios muito detalhados sobre o evento, sabemos exatamente o que aconteceu naquele dia. Sabemos que Attridge disparou suas balas a 13.000 pés (4.000 m) e foi atingido a 7.000 pés (2.100 m). Sabemos que seus projéteis saíram dos canhões a mais de 2.000 km/h e que o Tiger F11F ele estava pilotando estava em voo supersônico, a aproximadamente 1.300 km/h. 

Você pode perceber que a velocidade das balas era muito superior à do avião, o que significa que não havia nenhuma maneira das trajetórias se cruzarem. Mas depois de alguns quilômetros, os projéteis diminuem significativamente sua velocidade (se você já assistiu “Caçadores de mitos” disparando balas na água, sabe o que quero dizer). Na verdade, pelo que sabemos, os projéteis que atingiram o avião deviam estar viajando à mesma velocidade (ou até mais devagar) que o avião no momento do impacto. 

Pelos relatórios, também sabemos que antes de ser atingido, o avião voou em linha reta por cerca de 11 segundos, em um mergulho mais íngreme do que quando foram feitos os disparos. Se o avião estava mantendo 1.300 km/h, significa que Attridge cobriu uma distância de aproximadamente 4 km durante aqueles segundos. Então, basicamente, temos um triângulo perfeito, que nos permite desenterrar nosso velho amigo Pitágoras. Utilizando o famoso “teorema de...”, temos que Attridge cobriu uma distância horizontal de 4.000 m, durante um mergulho de 1.900 m.

Tudo o que temos que fazer agora é ver se as balas poderiam cobrir essa distância naquele tempo. Conhecendo todos os números do relatório, podemos “chutar” a trajetória das balas. Podemos supor que se os projéteis (que além do mais têm uma trajetória curva) diminuíram a velocidade até talvez 50% a 60% da velocidade do avião (a combinação entre resistência do ar e força da gravidade é coisa séria), elas poderiam ter percorrido entre 3.800 m a 4.200 m no tempo entre elas terem sido disparadas e atingindo o avião –, a mesma distância voada por Attridge. Em outras palavras: sim, um avião pode ser abatido por suas próprias balas.

Vamos conferir, o que o relatório oficial concluiu? Ele diz que as balas diminuíram a velocidade o suficiente para atingir Attridge durante seu mergulho a aproximadamente 4.000 m de distância, como nós calculamos. Ciência pura.

Quanto à natureza "uma em um milhão" deste evento, Attridge também reconheceu a física em jogo. Se você estiver voando e mergulhar na mesma trajetória em que você disparou, isso poderá acontecer novamente. Ele chegou a dizer: “Às velocidades a que estamos voando hoje (atirar em si mesmo) poderá ocorrer a qualquer momento”.

11/08/2018

Conheça a história de Rick Chesther da Silva, o ex-vendedor de água mineral que foi convidado para palestrar em Harvard nos EUA

Nesse Brasil afundado na crise, histórias como a do ambulante Rick Chesther não só mostram como a meritocracia é real, como também inspiram e dão esperança. Desempregado, Rick pediu emprestado a um amigo R$10 para iniciar um negócio que acreditava ser lucrativo: vender água na praia. Simples, não é mesmo? Ao que parece sim, só que não foi nada simples para ele. Rick ouviu muitas críticas, mas mesmo assim persistiu por acreditar que, para aquele mercado, haveria sempre público. 

E não é que ele acertou? Rick conta que lucrava, por dia, entre R$150 a R$200 e "não voltava para a casa com menos que isso". Decidiu, então, compartilhar sua experiência na internet e, tão logo, alcançou milhares de visualizações no seu canal do Youtube, o Minuto Empreendedor.


"Está desempregado no Rio de Janeiro? Então faz o seguinte: arruma R$10 emprestado, vai para a Central do Brasil amanhã e compra uma mala de água mineral e meio saco de gelo. Pega tudo e vai para Copacabana, cedo. Lá, você vende uma água a R$4 ou R$5. Vamos considerar que você venda tudo a R$4 e beba duas. São dez águas, R$40 reais. Você investiu R$10, são 300% de lucro", diz ele num trecho de um dos vídeos postados na internet.

De ambulante a youtuber e consultor econômico, o mineiro de Pitangui, que hoje vive na comunidade da Mangueira, galgou mais uma conquista esta semana: foi chamado para dar uma palestra na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, para onde embarcou quarta-feira.

— A intenção é continuar o que eu faço aqui. Dizer a todos que temos nossos problemas, e não são poucos. Mas o maior deles é a mentalidade do nosso povo, que precisa ser corrigida. E ninguém vai fazer isso por ninguém. Ou seja, aquele que quer crescer, que faça suas correções, que melhore como pessoa e contribua para o crescimento dos outros, porque a mudança no mundo começa a partir daí. Vou representar muito bem nosso povo lá. Costumo dizer que quem está indo para Harvard não é um CPF, é a esperança de uma galera que encontrou no Rick uma voz, e quem está indo é essa voz. Vou falar em nome de uma nação — disse o ex-ambulante.


A venda de água na praia foi o ponta pé para a carreira de "palestrante, escritor e consultor", como ele se declara. Hoje, segundo Rick, "a agenda é extensa e remunerada". Tão cheia que, desde abril, precisou largar as areias de Copacabana para dar conta dos compromissos. Os vídeos, por exemplo — alguns deles com mais de 30 mil visualizações — fazem parte do seu atual trabalho e ajudam a levantar a autoestima dos milhões de desempregados.

— Os vídeos que eu faço servem tanto para ajudar a vender água na praia quanto para para administrar uma empresa. Não falo apenas para os empreendedores, falo para a população em geral: "levanta e anda, porque você pode tudo" — acredita.

Fonte: O Globo
 

Copyright © 2018 Curiozone // Todas as imagens de filmes, séries e etc são marcas registradas de seus respectivos proprietários