Se conecte com a gente

Aconteceu

Justiça dá 48 horas para CBF explicar o porquê da seleção não usar o número 24

Ação foi movida pelo Grupo Arco Íris de Cidadania LGBT, associação que atua em defesa dos direitos da comunidade LGBTQIA+

Publicado

no

Foto: Reprodução/Google

Você sabia que a seleção brasileira de futebol é a única que disputa a Copa América, em que nenhum jogador usa o número 24 na camisa? Essa foi uma curiosidade que incomodou o Grupo Arco Íris de Cidadania LGBT, associação sem fins lucrativos que atua em defesa dos direitos da chamada comunidade LGBTQIA+. O incômodo com o fato curioso fez o grupo apresentar uma ação representada pelo advogado Carlos Nicodemos e o escritório NN Advogados Associados.

Para a ação, foi concedida uma liminar onde o juiz Ricardo Cyfer, da 10ª Vara Cível do Rio de Janeiro, obriga a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) a manifestar-se, em 48 horas, sobre o motivo pelo qual a seleção brasileira ser a única que disputa a Copa América a não usar o número 24 para identificar os jogadores. A CBF pode não responder à determinação, mas nesse caso, estará sujeita ao pagamento de uma multa diária de R$ 800.

Bandeira LGBT.

A associação argumenta, na petição, que “o fato de a numeração da seleção brasileira pular o número 24, considerando a conotação histórico-cultural que envolta esse número, de associação aos gays, deve ser entendido como uma clara ofensa à comunidade LGBTI+.”

De acordo com informações da CNN Brasil, à seguir estão as perguntas que a CBF precisará responder:

  • A não inclusão do número 24 no uniforme oficial nas competições constitui uma política deliberada da interpelada?
  • Qual o departamento dentro da interpelada que é responsável pela deliberação dos números no uniforme oficial da seleção?
  • Em caso negativo, qual o motivo da não inclusão do número 24 no uniforme oficial da interpelada?
  • Existe alguma orientação da Fifa ou da Conmebol sobre o registro de jogadores com o número 24 na camisa?
  • Quais as pessoas e funcionários da interpelada que integram este departamento que delibera sobre a definição de números no uniforme oficial?

O Grupo Arco Íris de Cidadania LGBT só se esqueceu que os jogadores da seleção, embora não usem o número 24, usam o 11, que como bem dizia o saudoso e inesquecível Clodovil Hernandes, “é um atrás do outro”.

Publicidade
Click para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade
Publicidade

Em Alta