Se conecte com a gente

Ciência

Fazer faxina por apenas 20 minutos na casa é capaz de reduzir estresse, segundo estudo

A equipe de pesquisadores estabeleceu ainda que as atividades mais apropriadas seriam a faxina, a jardinagem, a caminhada e a prática de esportes

Publicado

no

Você pode imaginar que sua mãe encomendou esse estudo, mas não. E acredite, ela está certa quando manda você fazer faxina em casa e quem dá razão à ela, é um estudo que foi publicado em 2008 na revista científica British Journal of Sports Medicine. Esse estudo sugere que fazer faxina por apenas 20 minutos seguidos por semana já é capaz de trazer inúmeros benefícios para a saúde mental.

O objetivo dos pesquisadores da University College, em Londres, era estabelecer quais atividades físicas traziam mais benefícios para a saúde mental e quantificar o tempo necessário para que os exercícios tivessem impacto psicológico.

Os resultados indicam que são necessários 20 minutos seguidos de exercício – o suficiente para deixar a pessoa ofegante – para que a atividade física provoque uma “melhora no humor” e diminua o estresse.

A equipe de pesquisadores estabeleceu ainda que as atividades mais apropriadas seriam a faxina, a jardinagem, a caminhada e a prática de esportes.

Resultados

Para chegar aos resultados, a equipe basicamente perguntou a 20 mil pessoas quanto tempo e que tipo de exercícios praticavam semanalmente, além de questões sobre o estado de saúde mental. Dos voluntários, 16% (3,2 mil) sofriam de algum tipo de estresse ou ansiedade.

De acordo com o estudo, os praticantes de esportes reduziam os riscos de estresse em cerca de 30%, enquanto a caminhada e as atividades domésticas como faxina e jardinagem contribuem para uma redução de 20%.

“Muitos estudos sugerem o benefício da prática de exercícios na saúde mental, mas pela primeira vez conseguimos quantificar o tempo necessário para que a atividade faça diferença”, disse Mark Hamer, que liderou o estudo.

“No entanto, é uma questão como a do o ovo e a galinha, já que a maioria das pessoas que sofrem de estresse ou ansiedade são menos propensas a praticar exercícios físicos”, explicou.

Apesar dos resultados, a equipe afirma que o próximo passo da pesquisa vai ser descobrir quais os mecanismos que influem na relação entre a atividade física e a saúde mental.

Segundo a ONG Sane, que trabalha com saúde mental, as razões do estresse são geralmente pouco compreendidas e em casos mais sérios, as pessoas precisam procurar ajuda profissional.

Só que o porta-voz da organização, Richard Colwill, afirmou que os resultados do estudo podem contribuir para uma melhora nas pessoas que sofrem de problemas de saúde mental.

“A pesquisa oferece esperança de que pequenas mudanças no estilo de vida podem contribuir para o bem-estar psicológico. O cérebro é um órgão tão ‘físico’ quanto o coração ou os pulmões. Por isso, não deve ser uma surpresa que pequenas quantidades de exercícios regulares podem contribuir para uma redução nos problemas psicológicos”, disse Richard Colwill.

Aeróbica

Uma outra pesquisa publicada na mesma revista científica também trata dos benefícios do exercício físico, só que agora entre os mais velhos e o estudo dessa vez é da Universidade de Toronto, no Canadá, que sugere que fazer exercícios aeróbicos regularmente na meia-idade pode aumentar a expectativa de vida em até 12 anos e ajudar a prolongar o período de vida independente.

De acordo com a pesquisa, a prática freqüente de exercícios aeróbicos “treina” o corpo a usar o oxigênio para gerar energia de maneira mais eficaz. Lorna Layward, diretora de pesquisas da ONG Help the Aged, que trabalha com idosos, “nunca é tarde para começar a fazer exercícios”. Para chegar a esse resultado, a pesquisa analisou 400 pessoas com idade entre 55 e 85 anos.

“Quando as pessoas ouvem a palavra ‘aeróbico’, tendem a pensar em Lycra e roupas de ginástica, mas existem vários tipos de atividades desta espécie, como dançar ou nadar, que podem fazer uma diferença enorme. Existe uma suposição de que a aposentadoria significa colocar os pés para cima e relaxar, mas gradualmente estamos observando que se manter ativo pode trazer vários tipos de benefício”, concluiu Layward.

Publicidade
Click para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade
Publicidade

Em Alta